quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Coicidências?.


Todos aqueles que acompanham esse maracujá , já sabem que eu estou a ler um icônico texto sobre o homossexualismo em terras brasileiras desde a colônia, até os dias atuais. Em suas quase 600 paginas, DEVASSOS NO PARAÍSO, nos apresenta importantes fatos e discussões acerca do que é ser “guei” num cenário cheio de contradições, numa sociedade moralista ao extremo e ao mesmo tempo “ devassa” como afirma o título. Apesar de trazer a tona uma série de nuances no discurso e na pratica homossexual, o texto cai por vezes, num tom jornalístico irritante, parecendo com uma grande revista de fofocas, tentando algumas vezes provar que tal e tal figura publica são homossexuais, algo irrelevante para o debate.

Por coincidência, esta semana meu amigo Wesley escreveu o bom artigo sobre a militância guei no estado a partir da “ASTRA” uma associação que milita em favor da causa homossexual, levantando algumas discussões políticas interessantes.

Como se não bastasse, o tema do jovem homossexual é objeto dos últimos capítulos da novela infinda e enfastiada MALHAÇÃO, vi por acidente os últimos dois capítulos deste nefasto programa televisivo, em que uma professora/diretora de um colégio fala que não pode participar de uma determinada passeata publica porque não pode ser associada a valores que desrespeita os valores da maioria dos pais dos alunos da instituição que gerencia, ao mesmo tempo em que várias subtramas se desenvolvem , tendo como eixo pseudoconflituoso a homessexulidade. Afim exclusivamente de causar falsas polêmicas e vender este mísero e ideológico programa, aumentando seus índices de audiência.

As vezes é mera coicidência.

Jadson

6 comentários:

  1. Conversamos longamente por dois dias sobre isso, né?E ontem, com Soares agregado. Haviamos falado inclusive também de como em muitos filmes que eu tinha visto sobre lésbicas como algumas muitas delas são representadas como más no que essa adjetivação tem de ruim mesmo (inclusive muitas delas doentes psicologicamente falando). Mas, enfim, quero depois poder ler o livro, ainda que role essa de "vou levar mais um para a irmandade"! Vale sempre a pena. Pois nada será tão nojentamente comparável à leitura de "dramas gay's" de uma Malhação da TV Globo, muito provavelmente...

    ResponderExcluir
  2. Hello, everybody.

    Iniciei a leitura do mesmo livro há um tempo atrás e não terminei, mas gostei muito do que li.
    Talvez dizer que fulano é homossexual vá sempre parecer uma fofoca com tons de calúnia e difamação. Mas, creio eu, que isso ocorre pela pesada anulação sofrida pelas "relações homossexuais", sempre clandestinas e mal vistas.

    Nesse caso: que sejam denunciadas, sim! Não ando por aí dizendo que sou homossexual porque eu não Sou nada.
    Mas trepo lindo com homens. Com mulheres nunca tive A OPORTUNIDADE. Talvez o livro contribua para mostrar que a hipocrisia já anula pessoas que apreciam as "relações homossexuais" há muito tempo.

    Inadimissível é pensar que essas pessoas estão limitadas/resumidas em travestis, transexuais,dragqueens e afeminados. Não!

    Tem muitos pais e avôs por aí dando a bunda e chupando pau. O livro sugere o termo "relações homossexuais". Eu gostei, achei menos restritivo.

    "Ser ou não ser?" Oi?

    Beijo, saudades.

    ResponderExcluir
  3. ...alguém precisa aprender a escrever o que vai postar numa - - - ferramenta de texto - - - antes de fazê-lo... lálá...

    ResponderExcluir
  4. Tiago, não sei até onde leu o livro, mas meu caro, tem um momento na narrativa que não tem nenhum sentido tentar legitimar a relação homossexual através do comportamento de tal e tal personalidade, isso é uma falácia do tipo "ad homine".

    ResponderExcluir
  5. e quantoa última reclamação........

    ResponderExcluir
  6. Ou um grande truque de inclusão mercadológica...
    Viado gasta!
    A Globo saca bem isso!
    WPC>

    ResponderExcluir